Tel.: (11) 3676-0874 - comercial@revistapetrus.com.br

Guedes quer que Petrobras aumente intervalo entre reajustes

WhatsApp Image 2022-05-23 at 08.35.36O ministro da Economia, Paulo Guedes, defende que a Petrobras adote uma regra que aumente o intervalo de tempo entre os reajustes dos combustíveis para amortecer a alta volatilidade dos preços do petróleo no mercado internacional.

Se vingar a ideia de Guedes, esse intervalo pode aumentar para 100 dias ou mais.

Toma que o filho é teu: Bolsonaro quer que presidente da Petrobras bote a cara para responder por preço de combustíveis

De acordo com interlocutores do ministro, essa vem sendo a sua postura nas conversas com o novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, que assumiu o cargo há uma semana no lugar do almirante Bento Albuquerque.

Para Guedes, que é hoje quem mais tem influência sobre esse assunto, os últimos reajustes praticados pela companhia foram excessivamente atrelados à variação de preços causada pela guerra da Ucrânia.

O ministro acha que, em tempos de guerra, os reajustes deveriam demorar mais tempo para acontecer.

Mais de uma vez ele já disse em reuniões no governo – incluindo as que ocorreram às vésperas da demissão do presidente da Petrobras, Joaquim da Silva e Luna – que, ao invés de o governo dar subsídios para reduzir o preço dos combustíveis, a empresa é que deveria reduzir seu lucro.

Eleições 2022: Oficialmente aliados, Freixo e Ceciliano evitam aparecer juntos 

Hoje, a companhia tem obrigação legal de praticar preços competitivos em relação aos do mercado internacional.

O estatuto da Petrobras estabelece ainda que, se o governo decidir usar o preço dos combustíveis para “fazer política social” – ou seja, subsidiar a gasolina –, terá que reembolsar a companhia.

A política da empresa para os reajustes, porém, é definida pela direção da Petrobras.

 A visita de Elon Musk: Brasil já tem plano para a Amazônia que dono da Starlink quer vender ao governo

Ela estabelece que a empresa tem um prazo de doze meses para igualar o preço que pratica aos do mercado, mas não diz com qual frequência os reajustes devem ser feitos.

Dessa forma, a Petrobras vai calibrando os aumentos ou reduções  de acordo com suas análises de mercado e projeções de alta ou de queda, para atingir a média dos doze meses aos poucos e não de uma vez só.

Ataque à urna eletrônica: Se não tiver auditoria, não vai ter eleição

Os últimos dois reajustes, em maio (do diesel) e em março (geral), aconteceram em intervalos de 60 e de 57 dias, mas já houve um período de 89 dias entre um reajuste e outro.

Na Economia, já houve estudos no passado para o estabelecimento de uma “média móvel” de preços a ser revista a cada 100 dias.

Dependendo do tempo que a companhia esperar para reajustar os preços, isso pode resolver um problema político para Bolsonaro, empurrando o próximo reajuste para depois da eleição.

Forças Armadas: General endureceu jogo com TSE após indulto de Bolsonaro a Daniel Silveira

Mas é bem provável que não diminua o impacto para o consumidor, já que as projeções no segundo semestre são aumentos contínuos.

Dependendo da política adotada, se a alta do petróleo no mercado internacional tiver sido grande o repasse terá de acontecer de uma só vez.

Conflitos de interesse: Adriano Pires desiste de ocupar a presidência da Petrobras

Qualquer que seja a decisão de Adolfo Sachsida, terá certamente a influência do ministro da Economia. Ao nomear Sachsida, Bolsonaro empoderou Paulo Guedes para tomar parte ela.

O novo ministro de Minas e Energia foi secretário de Política Econômica, e sua primeira declaração ao assumir o ministério foi defendendo a privatização da companhia, bandeira antiga de Guedes

Venezuela: Deputada acusada de tortura e vetada no Brasil entrou no país por erro do governo

O governo estuda também trocar diversas diretorias da companhia, e não apenas a de preços.

No início da semana passada, Bolsonaro disse que seria obrigado a “trocar peças no tabuleiro” da Petrobras, mas até agora nada foi anunciado.

Ataques ao TSE: Generais demitidos por Bolsonaro descartam risco de golpe

Conforme o rumo que Sachsida decidir tomar,  ele terá que fazer trocas também no conselho da companhia, que desde o início do governo Bolsonaro vem resistindo a mudanças bruscas na política de preços.

Fonte: O Globo