Tel.: (11) 3676-0874 - comercial@revistapetrus.com.br

Caminhoneiros bloqueiam vias no 3º dia de protesto contra alta de combustíveis

Apesar de aceno do governo com a proposta de reduzir o imposto sobre o diesel, caminhoneiros realizam nesta quarta-feira o terceiro dia de protesto contra a alta nos combustíveis. Os motoristas bloqueiam vias ou se mobilizam no acostamento de estradas de acesso a pelo menos três estados.

O movimento teve a adesão de mais profissionais e o número de interdições somente em rodovias federais chegou a 275 pontos nesta terça-feira, segundo dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Às 7h, os caminhoneiros se reuniam no acostamento de rodovias do Estado do Rio. Em Campos, no km 75 da BR-101, nos dois sentidos, e no km 296 da Niterói-Manilha, em Itaboraí. Na rodovia BR-493 (Magé-Manilha), na BR-040 e na Rio-Santos, não há interdição.

No Rio, caminhões de reboque chegaram a ocupar as quatro faixas da pista central sentido Centro do Rio da Avenida Brasil, entre o Jardim América e Parada de Lucas, informou a TV Globo. Os motoristas reduziam a marcha e chegaram a parar em alguns momentos. Por volta das 7h, três faixas foram liberadas. O engarrafamento é grande no local e chega à Rodovia Presidente Dutra.

Na Rodovia Presidente Dutra, na altura de Barra Mansa, no Sul do estado do Rio, os caminhoneiros seguem concentrados no acostamento nas pistas sentido São Paulo e Rio. Em alguns trechos, os manifestantes atearam fogo em pneus, e a fumaça afeta a visibilidades de motoristas que circulam por aquele trecho, segundo a TV Globo. Apesar disso, não há pontos de congestionamento.

O Estado do Rio, inclusive, é um dos mais afetados por conta do impacto na distribuição de bens. Há falta de gasolina na capital, o que afetou o serviço de funcionamento de ônibus na região metropolitana. Em diversos postos da região houve fila de abastecimento dos ônibus.

Além disso, outros produtos também já tiveram seus preços aumentados por conta da escassez gerada pelas greves. É o caso dos alimentos, que tem tido alta em diversos pontos de venda do Rio.

O protesto também se estendia, às 7h, no acostamento do km 182 (Paraíba do Sul) e do km 281 (Volta Redonda) da BR-393, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF). Em Nova Iguaçu, os manifestantes ocuparam a beira da via do km 17 da BR-465 e, em Guapimirim, o km 104 da BR-116.

Os caminhoneiros também mantiveram o bloqueio na Rodovia Régis Bittencourt em ao menos dois trechos nesta quarta-feira. A informação é do G1, que cita informações da concessionária que administra a estrada, principal corredor entre São Paulo e os estados do Sul do país.

A rodovia está interditada nos dois sentidos nos trechos do km 470, na região de Jacupiranga, SP, ao km 477, sentido Sul; e km 478 ao km 477, sentido Norte. Também há bloqueio no sentido Sul do km 384, em Miracatu, ao km 385.

Em Minas Gerais, os motoristas se concentravam, por volta de 6h10m, em oito pontos da BR-040, em sete trechos da BR-116 e em onze localidades da BR-381. A restrição de passagem nas vias, porém, afetava apenas veículos de carga.

No Espírito Santo, há protesto na altura do km 304 da BR 101, em frente ao trevo Viana.

Ao longo dos últimos três dias, quinze estados foram palcos de protestos. No Rio Grande do Sul, um caminhoneiro foi alvejado na noite de terça-feira por se recusar a parar em uma das manifestações.

Fonte: O Globo Online